O que é cultura do cancelamento?


Se você está assistindo 
ao BBB 21, sabe que o programa começou com vários participantes relatando o medo do cancelamento.

Mesmo quem não está acompanhando a casa mais vigiada do Brasil, mas tem perfis em redes sociais, certamente já ouviu falar do termo. Mas o que é, de fato, a tal “cultura do cancelamento”?

Como surgiu a cultura do cancelamento?

É difícil definir com precisão como ou quando a cultura do cancelamento surgiu, mas o termo cancelar (to cancel, em inglês) começou a aparecer na internet com esta conotação por volta de 2017, inicialmente nos Estados Unidos e em outros países de língua inglesa.

A ascensão do termo coincidiu com a popularidade do movimento #MeToo, de apoio a mulheres vítimas de assédio sexual por parte de homens da indústria do entretenimento, e era usado principalmente em relação a celebridades cujos comportamentos eram considerados problemáticos.

No entanto, a palavra “cancelamento” foi se tornando cada vez mais popular e passou a ser utilizada também para pessoas comuns nas mais diversas situações.

Afinal, o que é isso?

De forma abrangente, a definição de cancelar alguém é excluir aquela pessoa do seu meio, parar de consumir o trabalho dela e ignorar sua existência. O cancelamento costuma ocorrer logo após o cancelado emitir alguma opinião considerada “problemática”, como falas de cunho machista ou racista, por exemplo.

Esse fenômeno se dá especialmente na esfera online, com ênfase em redes nas quais as respostas dos internautas ocorrem de forma muito rápida, como o Twitter.

Muitas vezes, o cancelamento ocorre através do envio de mensagens ofensivas para os alvos, podendo acontecer também a subida de hashtags, comentários em fotos e respostas em stories.

Também é possível que os canceladores enviem mensagens para os empregadores da pessoa cancelada, no intuito de cobrar um posicionamento da empresa, ou mesmo para seus familiares e amigos pessoais, também cobrando posicionamentos e atitudes.

A cultura do cancelamento é, portanto, este ambiente que torna “justo” e “correto” que quaisquer pessoas com comportamentos, falas e posts considerados inaceitáveis sejam sumariamente canceladas, especialmente online.

Quais são os efeitos da cultura do cancelamento para a saúde mental?

Com o recente avanço das discussões acerca de saúde mental ao redor do mundo, é importante repensar as consequências da cultura do cancelamento neste contexto.

Ao haver o risco constante de sofrer uma exposição e do cancelamento, cria-se um espaço em que há pouca tolerância a opiniões divergentes e no qual os indivíduos podem se sentir especialmente pressionados e infelizes em virtude disto.

Além disso, o ato de cancelar também traz entraves ao debate público sobre questões consideradas tabus sociais. Em julho do ano passado, diversos intelectuais, escritores e artistas publicaram uma carta no site da revista norte-americana Harper’s pedindo por mais respeito à liberdade de expressão e por mais tolerância na troca de ideias online.

Comentários